Publicidade
Publicidade

Notícias Região / Quarto Centenário

Prefeito de Quarto Centenário e mais cinco réus têm bens indisponibilizados

quarta-feira, 5 dezembro de 2018.

O Ministério Público da Comarca de Goioerê divulgou no inicio da tarde desta quarta-feira, que o prefeito de Quarto Centenário, Reinaldo Krachinski, o secretário municipal de Administração, um assessor jurídico, a pregoeira e mais dois servidores que participaram do processo licitatório são réus no processo  que  levou à decretação da indisponibilidade de bens das seis pessoas (sendo que os nomes dos cinco servidores não foram informados pelo M.. A liminar judicial, concedida pelo Tribunal de Justiça do Paraná, atende recurso em ação civil pública por ato de improbidade administrativa apresentada pela 1ª Promotoria de Justiça de Goioerê, responsável pela comarca.

No processo, o Ministério Público do Paraná relata que, em março de 2017, a prefeitura abriu licitação para a compra de um veículo para atender a frota municipal. Ocorre que o certame apresentou diversas irregularidades, notadamente quanto ao direcionamento para a compra de um veículo de modelo e marca específicos, a partir da inclusão de diversas exigências no edital (como tipo de câmbio, tamanho do porta-malas e material das rodas). Também foi caracterizada a impossibilidade de concorrência, pois apenas algumas empresas vendiam o carro indicado dentro de todas as especificações. Com isso, foi comprado um determinado modelo tipo SUV, com várias características de luxo, que custou R$ 139.300,00 aos cofres públicos.

Como aponta o agente ministerial responsável pela ação, “da análise dos documentos colacionados, constata-se que o Município de Quarto Centenário claramente direcionou o procedimento licitatório para a aquisição específica da aludida marca e modelo de automóvel, mormente se considerado que somente o referido SUV adquirido pelo ente federado atendia às especificações contidas no objeto do certame”.

Além do prefeito, são réus no processo o secretário municipal de Administração, um assessor jurídico, a pregoeira e mais dois servidores que participaram do processo licitatório.

Sanções – Em primeira instância, a Justiça havia indeferido o pedido de indisponibilidade de bens feito pela Promotoria na ação. O MPPR então recorreu ao TJPR, que concedeu a medida. No mérito do processo, o Ministério Público busca a condenação de todos por ato de improbidade administrativa, o que pode levar a sanções como a suspensão dos direitos políticos, devolução dos valores gastos indevidamente ao erário, proibição de contratar com o Poder Público ou receber vantagens fiscais e multa.

 

Comentarios

Publicidade
domsegterquaquisexsáb
      1
16171819202122
23242526272829
3031     
     12
24252627282930
       
  12345
2728293031  
       
2930     
       
    123
25262728293031
       
    123
18192021222324
25262728   
       
 123456
78910111213
21222324252627
28293031   
       
     12
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31      
   1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  
       
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031    
       
     12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
       
  12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  
       
      1
9101112131415
23242526272829
3031     
    123
252627282930 
       
 123456
14151617181920
21222324252627
28293031   
       
      1
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30      
   1234
567891011
       
   1234
12131415161718
19202122232425
262728    
       
293031    
       
    123
11121314151617
       
  12345
13141516171819
27282930   
       
      1
23242526272829
3031     
    123
18192021222324
252627282930 
       
28293031   
       
   1234
567891011
       
     12
3456789
17181920212223