Publicidade

Colunas

Como a liberação de mais 63 agrotóxicos impactam em nossa sociedade

sexta-feira, 6 dezembro de 2019.

[1] A contaminações causadas pelo homem, corpos hídricos, como rios, trechos de rios, lagos, efluentes ou ainda das águas subterrâneas contidas em aquíferos tem se tornado uma preocupação  emergente, justamente pois boa parte destes  poluentes  encontram-se  facilmente dissolvidas  em  meio  aquoso, e ainda devido  ao  aumento  deste  materiais  de  difícil  separação  em maioria de seus compostos utilizados na agropecuária, agricultura e favorecem  uma  gama  de  poluentes  orgânicos  e  inorgânicos por   conta   do   manuseio   e   descarte   inadequado, atingindo, eventualmente,  o  topo  da  cadeia  alimentar  e  consequentemente,  a  saúde  humana.

Atualmente, diversos estudos desenvolvidos por profissionais da saúde bem como suas pesquisas científicas, têm como objetivo investigar os efeitos nocivos de defensivos agrícolas na saúde humana. E nestas são encontrados traços dessas substâncias no sangue humano, no leite materno e em resíduos encontrados em alimentos consumidos pela população em geral, apontando a possibilidade de ocorrência de anomalias congênitas, de câncer, de doenças mentais, disfunções na reprodução humana relacionando essas ao uso destes compostos químicos.

“Em âmbito nacional as condições de nossos rios, é alarmante”

Em âmbito nacional as condições de nossos rios, é alarmante. Em coletas e análises laboratoriais realizadas pela organização não governamental SOS Mata Atlântica em 2015, revelaram que 23,3% das águas encontradas em 111 rios brasileiros são de qualidade ruim e péssima. Com 301 pontos de rios e mananciais do Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília, Santa Catarina, Minas Gerais e Rio Grande do Sul analisados revelaram que nenhum dos rios analisados tem água totalmente limpa.

De acordo com a mesma pesquisa, em 21,6% dos pontos de coleta, a água foi considerada ruim e em 1,7% péssima. Em 186 pontos (61,8%), os pesquisadores encontraram água considerada regular e 45 pontos (15%) mostraram boa qualidade. Esta classificação tem como base parâmetros do Conselho Nacional do Meio Ambiente – CONAMA.

A legislação brasileira descreve que águas nessa situação são improprias até mesmo para receber tratamento destinado para o consumo humano ou utilizá-las para irrigação de lavoura.

“Devemos sim nos preocupar!”.

Pesquisas Locais apresentam que as nascentes urbanas de Goioerê-PR investigadas, que se encontram em desconformidade com as leis ambientais brasileiras, estão em situação de vulnerabilidade ambiental, necessitando intervenção pública para a sua recuperação[2].

Um outro exemplo está em trabalhos recentes, na mesma região, as análises da água do sedimento do lago Aratimbó, em Umuarama-PR, encontravam-se com concentrações de Cobre e Chumbo na água acima do limite da legislação vigente.

Essas contaminações estão diretamente relacionadas com o uso excessivo de insumos agrícolas. Segundo o Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social – IPARDES até 2011, em todo o estado, a quantidade utilizada de insumos agrícolas chegou a 96,1 milhões de quilos no estado, média de 9,6 quilos de defensivos por hectares ao ano.

Os prejuízos à natureza desencadeados pela indústria têxtil, característica de nossa região, são decorrentes desde o plantio do algodão até a confecção do produto final. Mesmo utilizando uma área menor do que a destinada para agricultura valores aproximados de 2%, esta área é responsável por cerca de 24% de todo o insumo agrícola e 11% dos pesticidas utilizados na agricultura.

O consumo excessivo de água nos processos de beneficiamento e acabamento como alvejar e tingir o produto ao longo da cadeia produtiva têxtil envolvem contaminação do solo, consumo de água, de energia, emissões de gases poluentes, além de resíduos sólidos. “imaginem a época de ouro do algodão em nossa região”

De acordo com dados mais recentes IBGE/CENSOAGRO em 2017 na região da bacia hidrográfica do Piquiri (Centro-Oeste), foram utilizados 19,3 milhões de quilos um aumento considerável de   20%, aplicados em todo estado. Com a expectativa de um aumento nestes índices, devido a planos voltados ao desenvolvimento pecuário e agrícola ao final de 2017, com um aumento da área plantada em 26% resultando em uma safra superior a 238 milhões de toneladas de grãos.

E ainda por mais recentes que as pesquisas sejam, nos últimos anos houve um considerável aumento de doenças, que de certa forma já estão relacionadas ao uso excessivo e ao descarte inapropriados de agrotóxicos e principalmente o consumo excessivo de hormônios agropecuários, que estamos presenciando desenfreadamente em nossa região.

“O uso excessivo de produtos químicos na agricultura reflete diretamente na sua saúde”

Sim caro leitor, já existem pesquisas que estão cruzando este tipo de informação”.Doenças como nos rins e no fígado, infertilidade, autismo, hipotireoidismo, malformação do feto, anencefalia e até mesmo o aborto.  Todas elas associadas com o aumento no consumo de produtos processados e quantidade de produtos agrotóxicos aplicados por hectare de terra cultivado.

O alto índice está relacionado tanto com consumo alimentos processados feitos de trigo, milho ou soja, que concentram maioria dos agrotóxicos, de acordo com a Organização Mundial da Saúde, como em carnes e leites dos animais que se alimentam com esses grãos.

As mesmas pesquisas apontam que a exposição a defensivos provoca   intoxicações   graves   e   mortais.   Devido à alta solubilidade de alguns destes agroquímicos, grande parte de sua concentração aplicada no solo não alcança o seu objetivo, desta forma boa parte da aplicação do agrotóxico é perdida por meio de lixiviação e está vem diariamente contaminando rios, nascente, lençol freático e leitos de rios, principalmente em nossa região.

As intoxicações causadas por fosfato se caracterizam por hipocalcemia, os sais de potássio provocam   ulceração   da   mucosa   gástrica, hemorragia, perfuração   intestinal, etc. Para se ter uma ideia, no organismo, através de reações metabólicas os nitratos, se transformam em compostos (nitrosaminas), que são substâncias altamente cancerígenas. Dados recentes apontam que além do não tratamento e saneamento básico, o descarte destas embalagens de defensivos agrícolas ocasionando erosões e assoreamento de rios e lagos, estão relacionados com o aumento de cianobactérias e cianotoxinas   causadores do zika vírus, que   aumentam   consideravelmente   devido   ao excesso de nitrogênio dissolvido em água. “Adivinhem da onde vem o nitrogênio?”

Os mesmos estudos apresentam que em 2015, o Brasil registrou 209.780 mortes por câncer e 349.642 relacionadas a doenças cardiovasculares e do aparelho circulatório.  Ao comparar  dados  recolhidos  de  20  anos  atrás  (1998),  nota-se  um  acréscimo  considerável na  mortalidade  por  neoplasias,  cerca  de  90%  de  aumento  em  relação  a  1998,  quando 110.799  pessoas  morreram  da  doença,  demonstrando  que  as  mortes  por  câncer  evoluíram três vezes mais rápido quando comparado com mortalidade por doenças cardiovasculares, e ainda  o  levantamento  aponta  que  até  2030  as  neoplasias  devem  ser  a  principal  causa de morte no país.

De acordo com Instituto Nacional de Câncer (INCA) pesquisas revelam que o câncer já é a principal causa de morte em 10% dos municípios brasileiros. Em um levantamento inédito realizado pelo Observatório de Oncologia, apresenta que 80% das cidades onde o câncer é a principal causa de morte estão concentradas nas regiões Sul e Sudeste, justamente as mais desenvolvidas   do   Brasil, e   consequentemente, em   cidades   que   apresentam   maiores expectativa de vida.

Dados do INCA ainda enfatizam que   expectativa é de 1,2 milhão de novos casos de câncer no país entre 2018 e 2019.  “Bem caro leitor, você já deve ter reparado quantidade de carros e ônibus que saem toda semana para Cascavel, pacientes em busca de tratamento”

Câncer de próstata, mama, intestino, pulmão, estômago, colo do útero, cavidade   oral, câncer da tiroide, sistema   nervoso   central, leucemia   e   esôfago, que   até   então   estão relacionados com questões de envelhecimento, alterações hormonais, ligados a funções reprodutivas, pulmonar, obesidade, sedentarismo, todas estas características da população de vida mais urbana. “Assim como eu e você que está lendo esta coluna, ou usando alguma rede social”.

Com a maior liberação de agrotóxicos da história deste país, chegando a expressivos números de 325 tipos apenas em 2019 e utilizando 500mil toneladas deste por ano

Esses números tendem a aumentar, e isto é preocupante. E ainda, no momento não estamos relacionando estes dados com a presença de contaminantes tóxicos oriundos de diversos medicamentos e hormônios sintéticos facilmente encontrados na produção de frangos.

Com a maior liberação de agrotóxicos da história deste país, chegando a expressivos números de 325 tipos apenas em 2019 e utilizando 500mil toneladas deste por ano, valores extremamente elevados e desnecessários, como apontado em todas as pesquisas, uma vez que mundialmente não somos os maiores produtores. A consequência da poluição de solos e águas são diversas e estas refletem do diretamente na qualidade da saúde do homem.

Além do prejuízo a fauna e flora das regiões afetadas, o uso destas águas contaminadas para o consumo humano acarretam em sérias complicações à saúde como câncer, listado acima, atribuídos a presença de defensivos agrícolas na água.

“O câncer é a segunda principal causa de morte no mundo”

O câncer é a segunda principal causa de morte no mundo e é responsável por 9,6 milhões de mortes em 2018. A nível global, uma em cada seis mortes são relacionadas à doença.

O combate à poluição deve se intensificar como campanhas de conscientização ambiental, medidas de fiscalização e controle. O manuseio de resíduos sólidos e o tratamento da água se faz necessário, isto é evidente, justamente para incorporação e facilitação sustentável de gerações futuras.

A melhor compreensão do impacto e do dano causado ao ser humano e a natureza pela   contaminação   de nossas águas por   contaminantes   agrícolas, pode   auxiliar pesquisadores a desenvolver novos métodos e tecnologias para prevenir ou minimizar efeitos indesejáveis causados por exemplo pela poluição da água.

 

[1] O texto completo, com o levantamento de dados pode ser acessado em :

EFEITOS DAS CONTAMINAÇÕES DE CORPOS HÍDRICOS ORIUNDOS DA ATIVIDADE INDUSTRIAL E AGRICULTURA (http://revistas.unisuam.edu.br/index.php/revistaaugustus/article/view/343)

 

[2]Texto completo Nascentes Urbanas de Goioerê: diagnóstico ambiental http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/geografia/article/view/32501

Gabriel da Cruz Dias – Possui graduação em Licenciatura em Física pela Faculdade de Ciências e Tecnologia – Unesp-Campus de Presidente Prudente (2012). Mestrado em Ciência dos Materiais pela Faculdade de Engenharia – Unesp-Campus de ilha Solteira (2014) com ênfase em compósitos poliméricos, polímeros condutores e partículas magnéticas. Doutorando em Ciência dos Materiais pela Faculdade de Engenharia – Unesp-Campus de ilha Solteira, com ênfase em fibras poliméricas obtidas por fiação a sopro. Atualmente é professor colaborador da Universidade Estadual de Maringá-UEM-Campus Regional de Goioerê

Comentarios

Publicidade
domsegterquaquisexsáb
     12
24252627282930
31      
28      
       
      1
       
     12
2425262728  
       
      1
3031     
     12
24252627282930
       
  12345
2728293031  
       
2930     
       
    123
25262728293031
       
    123
18192021222324
25262728   
       
 123456
78910111213
21222324252627
28293031   
       
     12
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31      
   1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  
       
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031    
       
     12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
       
  12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  
       
      1
9101112131415
23242526272829
3031     
    123
252627282930 
       
 123456
14151617181920
21222324252627
28293031   
       
      1
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30      
   1234
567891011
       
   1234
12131415161718
19202122232425
262728    
       
293031    
       
    123
11121314151617
       
  12345
13141516171819
27282930   
       
      1
23242526272829
3031     
    123
18192021222324
252627282930 
       
28293031   
       
   1234
567891011
       
     12
3456789
17181920212223