Publicidade

Colunas

Nem ‘’veado’’, nem ‘’sapatão’’, apenas PESSOAS

domingo, 6 novembro de 2016.

homo

          É muito comum o uso dos termos ‘’veado’’ e ‘’sapatão’’ para se rotular os homossexuais, ora utilizando-os em ‘’brincadeiras’’, supostamente apenas ‘’engraçadas’’ (mas de gosto bastante duvidoso), ora com o intuito de agredir e desumanizar deliberadamente essas pessoas.  Mas também as brincadeiras e piadas não são isentas e carregam consigo os discursos dos preconceitos socialmente difusos, quase sempre  agressivos e não raro desumanos.

          Como fala o ditado popular, toda brincadeira tem um fundo de verdade e, nesse caso, a tal ‘’verdade’’ é uma só: o preconceito espalha-se, feito um câncer agressivo com muitas metástases, no corpo social, manifestando-se em diversas situações e de diferentes formas, seja quando se brinca ou se fala sério.

          Outrossim, o preconceito tem uma função social evidente – construir o  imaginário diferente como  ‘’anormais’’, culpados pelos males e inseguranças daqueles que são ‘’normais’’, através do escárnio, às vezes escamoteado naqueles gracejos ‘’inocentes’’ (ou nem tanto). Exagero?   Vejamos… afinal de contas, o que tem demais em uma ‘’piadinha de veado’’?

          O termo ‘’veado’’, como designador pejorativo atribuído a homossexuais do sexo masculino,  deriva-se  de uma comparação entre eles e o animal da espécie  antílope que recebe essa nomenclatura, animal de características tidas como afeminadas. E é justamente aí que está o problema, trata-se de um animal, ou seja, um ser não humano, sendo, portanto, um ser desigual em relação à humanidade. Ou, em outras palavras, tal qualificação desumaniza o sujeito e, uma vez ‘’retirada’’ a sua humanidade, é ‘’normal’’ tratá-lo como desigual, já que veados não pertencem à espécie humana, sendo, portanto, seres dessemelhantes  dela. Nada a ver? Será que não, mesmo?

          Quando ocorre um crime bárbaro, é comum que o criminoso seja considerado como um ‘’animal’’, por ter cometido um ‘’ato animalesco’’, ou seja, o indivíduo foi capaz de um ato do qual não seriam capazes os seres humanos ‘’normais’’, e que o diferencia da humanidade e o afasta dela pelo ato desumano. O criminoso, seguindo esse raciocínio, não é mais digno de ser visto ou tratado como um igual pela humanidade.

          Dessa forma, animalizar o outro é, portanto, desqualificar sua essência humana e afastá-lo de si e dos seus. Acham pouco??

Comentarios

Publicidade
domsegterquaquisexsáb
     12
17181920212223
24252627282930
31      
28      
       
      1
       
     12
2425262728  
       
      1
3031     
     12
24252627282930
       
  12345
2728293031  
       
2930     
       
    123
25262728293031
       
    123
18192021222324
25262728   
       
 123456
78910111213
21222324252627
28293031   
       
     12
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31      
   1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  
       
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031    
       
     12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
       
  12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  
       
      1
9101112131415
23242526272829
3031     
    123
252627282930 
       
 123456
14151617181920
21222324252627
28293031   
       
      1
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30      
   1234
567891011
       
   1234
12131415161718
19202122232425
262728    
       
293031    
       
    123
11121314151617
       
  12345
13141516171819
27282930   
       
      1
23242526272829
3031     
    123
18192021222324
252627282930 
       
28293031   
       
   1234
567891011
       
     12
3456789
17181920212223