Publicidade

Colunas

O Brasil e o ano da efervescência

sábado, 7 maio de 2016.

Sejamos práticos. As informações quase que instantâneas do que ocorre em Brasília lideram as manchetes dos jornais, no rádio e na televisão. E por consequência repercutem nas conversas de esquina e entre vizinhos. Os escândalos que se sucedem implicando em bilhões de reais roubados e/ou desviados do contribuinte, aquele que trabalha e paga seus impostos, não chega a ser tão grave para os colarinhos brancos. Não mais que as consequências desastrosas que trarão para o cidadão comum. Este mesmo. O brasileiro – sem distinção de sexo – que depende do emprego para colocar na mesa da sua família o pão de cada dia. O brasileiro que, pagando uma elevada carga tributária, vê seus direitos estabelecidos na Constituição serem desrespeitados.

Meus amigos. Duvido que haja neste País um pai ou uma mãe de família que necessitando atendimento médico encontre um atendimento que seja regular.  Seja satisfatório seria um pouco demais. Duvido que qualquer mãe que more nos arrabaldes da cidade e que necessite trabalhar fora encontre vaga na creche. A segurança pública é uma lástima em qualquer povoado.

Tudo decorre que é culpa do próprio cidadão. Chocante não é? E de fato o é. O brasileiro em sua grande maioria ainda não conseguiu se aperceber da importância do seu voto. Ao se deslocar para o seu local de votação, como faremos em outubro deste ano, para eleger o prefeito e os vereadores de nossa cidade, vamos como se fôssemos animais indo para o matadouro. A morte é certa e não há nada que mude esta sina!

Ledo engano. O nosso voto quando dado com consciência tem o poder de mudar as coisas. Precisamos resgatar o gosto de ser brasileiro. Sentir a paixão de ver a bandeira tremulando. Não estamos acreditando mais em nós mesmos. A profecia de Ruy Barbosa, manifestada na Oração aos Moços, há muitos anos atrás parece se confirmar – “haverá um dia em que um homem terá vergonha de dizer que é honesto…”.

Ora pois. Quando as pessoas de bem de nossa cidade desdenham participar do jogo político abre caminho para os canalhas, para os vendilhões do templo. Se o elefante soubesse da sua força não se deixaria levar como um cordeirinho. Se o burro soubesse da sua força não puxaria carroça. Para arrematar – somos cordeirinhos com força de elefante e burros carregando a carga que alimenta poderosos. Para nós, brasileiros que formam a base da pirâmide, sobram as migalhas que caem da mesa daqueles que nos governam.

 

Comentarios

Publicidade
domsegterquaquisexsáb
     12
17181920212223
24252627282930
31      
28      
       
      1
       
     12
2425262728  
       
      1
3031     
     12
24252627282930
       
  12345
2728293031  
       
2930     
       
    123
25262728293031
       
    123
18192021222324
25262728   
       
 123456
78910111213
21222324252627
28293031   
       
     12
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31      
   1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  
       
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031    
       
     12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
       
  12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  
       
      1
9101112131415
23242526272829
3031     
    123
252627282930 
       
 123456
14151617181920
21222324252627
28293031   
       
      1
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30      
   1234
567891011
       
   1234
12131415161718
19202122232425
262728    
       
293031    
       
    123
11121314151617
       
  12345
13141516171819
27282930   
       
      1
23242526272829
3031     
    123
18192021222324
252627282930 
       
28293031   
       
   1234
567891011
       
     12
3456789
17181920212223