Publicidade

Colunas

O PRECONCEITO NOSSO DE CADA DIA: UM PROBLEMA QUE NÃO ESTÁ SÓ “NOS OUTROS’’

domingo, 16 outubro de 2016.

1

          “Se eu tivesse que achar um pai e uma mãe para o preconceito, um é a falta de conhecimento e o outro é a angústia do medo” – Leandro Karnal

          Vivemos em uma sociedade preconceituosa, até aí, nenhuma novidade. Mas, por meio dessa afirmação, tão genérica quanto consoladora, há aqueles que insistem em afirmar, e talvez acreditar, serem uma ilha de tolerância cercada de preconceituosos. Essa ideia é tão comum quanto hipócrita. Afinal, sejamos francos: todos temos algum tipo de preconceito, por mais sutil e contido que ele seja.

          Porém, a ideia de que o problema sempre está só “nos outros’’ escamoteia uma obviedade por vezes muito incômoda: não pode haver sociedade sem indivíduos e, como bem resume a  frase de John Donne, ‘’Nenhum homem é uma ilha, completo em si próprio; cada ser humano é uma parte do continente, uma parte de um todo’’. Ou seja, indivíduo e sociedade são duas faces da mesma moeda. Porém, como afirmara Nietzche, ‘’Insanidade é a exceção em indivíduos, mas a regra em grupos.’’. Finalmente, o que indivíduos desse grupo chamado sociedade representam?

          Somos tolerantes? Pode até ser. Mas tolerar significa respeitar?

          Não! Tolerar é ter paciência para suportar determinada situação desagradável ou ofensiva, com desdém, às vezes até com ódio, rancor, mas há preocupação em se manter as aparências. Sabe aquela pessoa que diz que há determinadas coisas com que todo mundo concorda, mas é constrangedor se admitir em público?

          Essa ideia, muitas vezes, só replica preconceitos e estereótipos. E, pior, legitima algumas hierarquias entre os seres humanos, baseadas em critérios como cor/raça, gênero, sexualidade e escolha religiosa. Já respeitar é entender que as pessoas têm o direito legítimo de pensar, agir e fazer escolhas diferentes umas das outras, e que, mesmo assim, ninguém é melhor que ninguém. Mas sabemos que, na maioria das vezes, não é bem assim que as coisas acontecem. Parafraseando Carlos Drummond de Andrade, há ‘’uma pedra no meio do caminho’’. No caso, uma conjunção adversativa, que, como o próprio nome indica, estabelece uma ideia de oposição, uma contradição, o ‘’mas’’.

          Quem nunca ouviu frases do tipo ‘’ Eu não sou preconceituoso, mas sabe como é…’’, ‘’Eu não tenho nada contra, mas…’’ ou ‘’ Eu não gosto de falar mal da vida alheia, mas…’’? O que elas têm em comum?  A negação do preconceito individual, que expressa o ‘’eu ‘não’’ que as inicia e o ‘’mas’’ que reifica a ideia da sociedade, o coletivo que, ao mesmo tempo que representa a todos (ou a maioria), não representa ninguém em particular, pois, como fala o dito popular, toda regra tem sua exceção.

          E, apoiados nessa máxima, somos todos exceções, estabelece-se um paradoxo, no qual ninguém representa as regras ao mesmo tempo em que elas representam o todo. Não que normas sociais sejam ruins ou desnecessárias, porém, o discurso de que ‘’é assim desde que o mundo é mundo’’ quase sempre é um eufemismo para todo o tipo de preconceitos, que, de tão antigos parecem naturais. Mas, como individualmente admitir-se preconceituoso é desconfortável , a ‘’sociedade’’ permite que atribuamos a terceiros práticas e comportamentos pessoais de muitos que, negados no âmbito particular, o coletivo (social) nos permite expressar nossos preconceitos sem o ônus de ter que declará-los.

          Além disso, temos outro tipo de manifestação desses discursos, que, quando manifestos em particular, são sempre suavizados por coisas do tipo “É só a minha opinião’’, ’“O mundo tá ficando muito chato”,  ou que vivemos em um tempo de muito “mimimi”, no qual ‘’tudo é racismo’’ e onde ‘’gays querem dominar o mundo’’ e ameaçar a moral dos bons costumes. E de opinião em opinião, o preconceito vai gerando violência… Não? Vamos a duas charges bastante didáticas:

2

3

          Ah, lembro ainda esta esquete do ‘’Porta dos fundos’’ que ilustra bem o que é esse tal ‘’mundo chato’’ (ver no link  https://www.youtube.com/watch?v=KP4wBBZRCio)

          Exagero?

          Bom… Em relação aos homossexuais e a homoafetividade, a maioria das pessoas (individualmente) se diz tolerante (e não respeitosa) a essas relações, dizendo inclusive ‘’Ah, eu tenho amigos gays’’, mas sempre há um ‘’porém’’. Tipo ‘’Nada contra, mas a gente sabe que não é certo’’, sempre tentando naturalizar o preconceito, ao mesmo tempo se mostrar ‘’bonzinho’’ por tratar ‘’como iguais’’ essas pessoas, apesar da ‘’vida errada’’ que elas levam. Isso é uma tremenda hipocrisia.

          Ademais, a diferença entre os ‘’bonzinhos tolerantes’’ e os assassinos que contribuem para se engrossar as estatísticas de mortes violentas de homossexuais no Brasil devido à sua sexualidade (318 em 2015) é definida por uma linha bastante tênue, à medida em que a razão desses homicídios é tão somente a radicalização torpe de um discurso socialmente difuso, que é errado, que é uma aberração, que fazem esses homicidas acreditarem estar fazendo um favor à sociedade.

          O mesmo princípio se aplica ao racismo. É comum ouvir-se que, sendo um país mestiço e plural, não há nem pode haver racismo no Brasil. Mas, nas blitz policiais, é evidente o perfil do ‘’suspeito preferencial’’, ou seja, cor da pele ainda pode definir o que é uma ‘’atitude suspeita’’.  Não? Reproduzo abaixo um scanner de uma reportagem do jornal Diário de São Paulo, publicada em 2013, que ilustra bem a questão.

4

          Resultado disso? Segundo o portal Terra, 71,4% das vítimas de homicídio no Brasil são negras (veja o link: https://noticias.terra.com.br/brasil/homicidios-no-brasil-714-das-vitimas-sao-negras,6e8009c39f0f5410VgnVCM20000099cceb0aRCRD.html) Tais estatísticas refletem uma sociedade na qual inexiste racismo?

          A mesma sociedade que tem ditos populares como “A coisa tá preta”; “É coisa de preto”; “Só podia ser preto” e “Negro quando não suja na entrada, suja na saída”… Coincidência? Acaso?

          Enfim, paremos para analisar nossas práticas cotidianas, lembrando que, sendo a sociedade um coletivo de indivíduos não correlatos que se retroalimentam e que, para ‘’os outros’’, ‘’os outros’’ somos nós, é assim que determinados comportamentos se tornam ciclos viciosos que fazem do preconceito uma história mais velha que andar para frente.

Comentarios

Publicidade
domsegterquaquisexsáb
     12
17181920212223
24252627282930
31      
28      
       
      1
       
     12
2425262728  
       
      1
3031     
     12
24252627282930
       
  12345
2728293031  
       
2930     
       
    123
25262728293031
       
    123
18192021222324
25262728   
       
 123456
78910111213
21222324252627
28293031   
       
     12
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31      
   1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  
       
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031    
       
     12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
       
  12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  
       
      1
9101112131415
23242526272829
3031     
    123
252627282930 
       
 123456
14151617181920
21222324252627
28293031   
       
      1
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30      
   1234
567891011
       
   1234
12131415161718
19202122232425
262728    
       
293031    
       
    123
11121314151617
       
  12345
13141516171819
27282930   
       
      1
23242526272829
3031     
    123
18192021222324
252627282930 
       
28293031   
       
   1234
567891011
       
     12
3456789
17181920212223