Publicidade

Colunas

Setembro Amarelo passou, e os suicídios continuam

sexta-feira, 18 outubro de 2019.

O psicólogo Cezar Douglas Naves de Souza atende no Instituto Urbano

O suicídio é sempre um tema atual, e deve ser falado com muita frequência, pois é um problema que tem afetado crianças, jovens e adultos e tem levado muitas pessoas a morte. Precisamos falar deste assunto.

O suicídio é um fenômeno complexo, de múltiplas determinações, que pode afetar indivíduos de diferentes origens, classes sociais, idades. O suicídio pode ser prevenido e saber reconhecer os sinais de alerta em si mesmo ou em alguém próximo a você pode ser o primeiro e mais importante passo para isso.

Um dos falsos mitos sociais em torno do suicídio é que a pessoa que tem a intenção de tirar a própria vida não avisa, não dá pistas. Isso não é verdade e devemos considerar seriamente todos os sinais de alerta que podem indicar que a pessoa está pensando em suicidar-se.

Problemas de conduta ou manifestações verbais, preocupação com sua própria morte ou falta de esperança, expressão de idéias ou de intenções suicidas, isolamento. Situações como perda de emprego, discriminação, racismo, agressões psicológicas e/ou físicas, sofrimento no trabalho, diminuição de autocuidado, conflitos familiares, perda de um ente querido, doenças crônicas, dolorosas e/ou incapacitantes, entre outros podem ser fatores de risco, ainda que não possam ser considerados como determinantes para o suicídio.

Diante de uma pessoa sob risco de suicídio, encontre um momento apropriado e um lugar calmo para conversar, ouça a pessoa com a mente aberta e sem julgamentos. Incentive a pessoa a procurar ajuda de profissional, ofereça-se para acompanhá-la. Se você acha que há perigo imediato, não a deixe sozinha. Se a pessoa vive com você, assegure-se de que ela não tenha acesso a meios para provocar a própria morte, por exemplo, pesticidas, armas de fogo ou medicamentos. Fique em contato para acompanhar como a pessoa está passando e o que está fazendo.

Pensamentos e sentimentos de querer acabar com a própria vida podem ser insuportáveis e pode ser muito difícil saber o que fazer e como superar esses sentimentos, mas existe ajuda disponível. Oriente e ajude a pessoa em sofrimento a buscar um profissional ou serviços de suporte.

Marque um horário no Instituto Urbano pelos telefones (44) 3522 4191 ou 92000-4591 e conheça todos os procedimentos.

Acompanhe as colunas do Instituto Urbano acessando o link: https://tribunadaregiao.com.br/colunas/colunista/instituto-urbano

 

Comentarios

Publicidade
domsegterquaquisexsáb
     12
17181920212223
24252627282930
31      
28      
       
      1
       
     12
2425262728  
       
      1
3031     
     12
24252627282930
       
  12345
2728293031  
       
2930     
       
    123
25262728293031
       
    123
18192021222324
25262728   
       
 123456
78910111213
21222324252627
28293031   
       
     12
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31      
   1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  
       
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031    
       
     12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
       
  12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  
       
      1
9101112131415
23242526272829
3031     
    123
252627282930 
       
 123456
14151617181920
21222324252627
28293031   
       
      1
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30      
   1234
567891011
       
   1234
12131415161718
19202122232425
262728    
       
293031    
       
    123
11121314151617
       
  12345
13141516171819
27282930   
       
      1
23242526272829
3031     
    123
18192021222324
252627282930 
       
28293031   
       
   1234
567891011
       
     12
3456789
17181920212223