Publicidade
Publicidade

Notícias Goioerê

Instituto Urbano: O Esporte ensinando sobre a vida: O que podemos aprender com Simone Biles?

sexta-feira, 30 julho de 2021.

A psicóloga Marília Frost atende no Instituto Urbano – CRP 08/26684

Duas das principais estrelas de Tóquio 2020, Simone Biles e Naomi Osaka chamaram a atenção do mundo ao tomarem uma decisão, durante os Jogos Olímpicos, priorizando suas questões emocionais e psicológicas. A ginasta norte-americana optou por desistir das competições por equipe e individual geral, mesmo classificada para a final. Já a tenista japonesa, uma das favoritas na modalidade, foi desclassificada ainda nas oitavas.

Diante desse contexto, o psicólogo João Ricardo Cozac, presidente da Associação Paulista da Psicologia do Esporte, afirma que o esporte de alto rendimento está longe de ser um lugar psicologicamente saudável, dizendo que atletas silenciosamente vivem um retrato de desequilíbrio das emoções e uma tentativa de adaptação às exigências, onde, não raro, o final dessa equação são as síndromes e a desistência precoce da prática esportiva, quadros agudos de depressão e crises de ansiedade.

“Os atletas são especialistas em suprimir emoções para dar conta de seus objetivos”

O psiquiatra Henrique Bottura, mestre em psicologia do esporte pela Unesp (Universidade Estadual Paulista), complementa esse raciocínio utilizando-se de uma frase que chamou-me a atenção, dizendo: “Os atletas são especialistas em suprimir emoções para dar conta de seus objetivos”.

O que podemos aprender com isso tudo? Talvez você que está lendo esta matéria, consiga entender plenamente o que essas atletas sentiram e pensaram ao tomar essa decisão, ou talvez você pense: “Mas o universo do esporte está tão distante da minha realidade”.

Utilizando-nos dessa perspectiva, poderíamos nos questionar: Qual o peso que o cuidado psicológico tem sobre as nossas vidas? Em que a sua saúde mental implica no seu cotidiano? A atitude dessas atletas gerou uma discussão, que embora não seja atual, é de extrema importância. Vivemos em uma sociedade onde produzir é o ideal a ser alcançado. Acordamos todos os dias e nos deparamos com essa realidade, onde mais importante do que ser é ter.

Clique aqui e receba as notícias de Goioerê e região em primeira mão

Aprendemos que saúde física é tudo que precisamos para travarmos nossas batalhas diárias. Diante disso, pergunto-lhes: Qual o preço de suas conquistas? Não estou querendo dizer que trabalhar, dar o seu melhor, ir em busca de seus sonhos e projetos, não seja algo importante, muito pelo contrário, a questão é: Qual caminho temos tomado para alcançar nossos objetivos? O que temos levado em consideração e o que temos desprezado, abdicado, ignorado em nós, durante nossa caminhada de vida?

“No momento em que tudo desaba, não adianta ter talento e medalhas”

Utilizando-me ainda das colocações de Cozac, o mesmo segue dizendo que não se pode criar atletas com corpos de aço, técnicas de aço e a base de barro, relatando: “No momento em que tudo desaba, não adianta ter talento e medalhas, o que importa é o suporte emocional.” Trazendo para a realidade da maioria de nós, por muitas vezes esquecemos que não somos “robôs”, não somos máquinas e que temos medos, traumas, sentimentos e emoções. Essa dicotomia de mente e corpo não é real, a mente não funciona separada do restante do corpo, muito pelo contrário, nosso sistema nervoso controla todo o nosso funcionamento.

Somos seres humanos que vivemos e sentimos de forma integral, não saímos para trabalhar ou não acordamos para enfrentar nosso dia e conseguimos separar os sentimentos dos pensamentos, as emoções dos comportamentos. Quando levantamos da cama, todo nosso corpo atua concomitantemente para que consigamos caminhar, desde a resposta que nosso sistema nervoso irá emitir para nossos membros corporais, quanto os sentimentos que carregamos ao iniciar aquele dia.

E você? Como está o seu suporte emocional? Enquanto não compreendermos que como seres integrais, precisamos cuidar de nossa saúde de forma integral, não conseguiremos atingir a plenitude do bem-estar, não seremos seres saudáveis.

Que essa atitude dessas atletas nos sirva de lição e principalmente, volte a nossa atenção para a importância que temos dado a nossa saúde mental. Afinal de contas, cuidar da sua saúde mental, é cuidar de você!

A psicóloga Marilia Frost atende no Instituto Urbano pelos telefones (44) 3522 4191 ou 92000-4591 

Acompanhe as coluna do Instituto Urbano com matérias de todos os profissionais: https://tribunadaregiao.com.br/colunas/colunista/instituto-urbano

 

 

Publicidade
domsegterquaquisexsáb
   1234
2627282930  
       
28      
       
      1
       
     12
2425262728  
       
      1
3031     
     12
24252627282930
       
  12345
2728293031  
       
2930     
       
    123
25262728293031
       
    123
18192021222324
25262728   
       
 123456
78910111213
21222324252627
28293031   
       
     12
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31      
   1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  
       
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031    
       
     12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
       
  12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  
       
      1
9101112131415
23242526272829
3031     
    123
252627282930 
       
 123456
14151617181920
21222324252627
28293031   
       
      1
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30      
   1234
567891011
       
   1234
12131415161718
19202122232425
262728    
       
293031    
       
    123
11121314151617
       
  12345
13141516171819
27282930   
       
      1
23242526272829
3031     
    123
18192021222324
252627282930 
       
28293031   
       
   1234
567891011
       
     12
3456789
17181920212223