Publicidade
Publicidade

Notícias Geral

Produção industrial do Paraná avançou 2,8% em março

terça-feira, 10 maio de 2016.

A produção da indústria do Paraná e do Brasil avançou 2,8% e 1,4%, respectivamente, na passagem de fevereiro para março de 2016, de acordo com a Pesquisa Industrial Mensal Regional – Produção Física (PIM-PF), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Com o resultado, o Estado registrou variação positiva de 1,1% no trimestre encerrado em março de 2016 frente ao nível do mês anterior e interrompeu a trajetória descendente iniciada em junho de 2015.


Em março de 2016, no confronto com março de 2015, o setor fabril paranaense teve recuo de 6%, frente contração de 11,4% para o Brasil, com retração em 13 dos 15 locais pesquisados. Os setores que afetaram negativamente o desempenho da indústria no Estado foram: fabricação de máquinas, equipamentos e materiais elétricos (-24,4%), impulsionado pela menor produção de fios, cabos e condutores elétricos com capa isolante, refrigeradores ou congeladores, eletroportáteis domésticos e cabos de fibras ópticas e pela menor produção de produtos minerais não-metálicos (-23,5%), devido à redução na produção de cimentos Portland, blocos e tijolos para construção, misturas betuminosas fabricadas com asfalto ou betumes, artigos de porcelana para serviço de mesa ou de cozinha, elementos pré-fabricados para construção civil de cimento ou concreto e massa de concreto preparada para construção.

Também interferiu no resultado o recuou na fabricação de máquinas e equipamentos (-20,2%), impulsionado pela menor produção de máquinas para colheita, máquinas portáteis para furar, serrar, cortar ou aparafusar, tratores agrícolas, máquinas para preparação de materiais têxtil e máquinas-ferramenta para trabalhar madeira e cortiça e pela fabricação de móveis (-19,3%), devido à menor produção de armários de madeira para uso residencial, cômodas de madeira, componentes, partes e peças de madeira para móveis e móveis modulados de madeira para cozinhas.

Vale citar ainda a diminuição na fabricação de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (-16,1%), devido à redução da produção de óleo diesel, óleos combustíveis e gás liquefeito de petróleo, pela fabricação de produtos químicos (-15%), devido à redução na produção de adubos ou fertilizantes com nitrogênio, fósforo e potássio (NPK) e de produtos de metal (-14,3%), devido à redução na produção de artefatos diversos de ferro ou aço estampados, cadeados, torres e pórticos de ferro e aço, artefatos diversos de ferro e aço trefilados, latas de ferro e aço para embalagem de produtos diversos e moldes para fabricação de peças de borracha e plástico.

IMPACTO POSITIVO – Em sentido oposto, o principal impacto positivo veio do setor de bebidas (23,7%), produtos alimentícios (12,9%) e fabricação de produtos de madeira (2,5%).

No índice acumulado para o período de janeiro a março de 2016, a indústria do Paraná desacelerou 8,7% no confronto contra igual período do ano anterior, ante redução de 11,7% na produção nacional.

Dos 13 setores pesquisados, dez diminuíram a produção, puxados por máquinas e equipamentos (-37,5%), máquinas, aparelhos e materiais elétricos (-28,7%), veículos automotores, reboques e carrocerias (-19,8%), minerais não-metálicos (-17,4%), fabricação de produtos de metal (-16,3%), fabricação de móveis (-15,8%), produtos químicos (-12,9%) e produtos de borracha e de material plástico (-7,2%).

ACUMULADO – No índice acumulado nos últimos 12 meses, terminados em março de 2016, o Paraná registrou redução de 8,9% ante retração de 9,7% para o Brasil.

As principais influências negativas sobre a média global regional ficaram com fabricação de veículos automotores, reboques e carrocerias (-29,2%), máquinas, aparelhos e materiais elétricos (-21,9%), fabricação de móveis (-21,5%), produtos de minerais não-metálicos (-19,2%), máquinas e equipamentos (-17,5%) e produtos de metal (-11,8%).

Segundo o diretor do Centro Estadual de Estatística do Ipardes, Francisco José Gouveia de Castro, o resultado é o reflexo da crise econômica brasileira, que tem gerado incertezas quanto ao futuro e impactando negativamente no setor, causando forte retração das vendas internas, aumento dos custos de produção e dispensa da mão de obra empregada.

Comentarios

Publicidade
domsegterquaquisexsáb
22232425262728
293031    
       
  12345
2728     
       
28      
       
      1
       
     12
2425262728  
       
      1
3031     
     12
24252627282930
       
  12345
2728293031  
       
2930     
       
    123
25262728293031
       
    123
18192021222324
25262728   
       
 123456
78910111213
21222324252627
28293031   
       
     12
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31      
   1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  
       
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031    
       
     12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
       
  12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  
       
      1
9101112131415
23242526272829
3031     
    123
252627282930 
       
 123456
14151617181920
21222324252627
28293031   
       
      1
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30      
   1234
567891011
       
   1234
12131415161718
19202122232425
262728    
       
293031    
       
    123
11121314151617
       
  12345
13141516171819
27282930   
       
      1
23242526272829
3031     
    123
18192021222324
252627282930 
       
28293031   
       
   1234
567891011
       
     12
3456789
17181920212223